Topo

Topo

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

CDL Santa Cruz do Capibaribe promove palestra gratuita para equipes de vendas


Com o objetivo de conscientizar líderes e vendedores da importância de se trabalhar motivado em um ambiente organizacional transparente, desenvolvendo atividades em equipe é que a CDL Santa Cruz do Capibaribe promove uma palestra gratuita para as equipes que são envolvidas diretamente com as vendas das empresas.

O evento será realizado no auditório da CDL, no dia 9 de março, às 19 horas, onde o palestrante, Roberval Andrade vai apresentar técnicas de como melhorar o relacionamento interpessoal, de modo a deixar o colaborador ainda mais comprometido com inteligência emocional para superar a diversidade do mercado, além de ter um foco voltado para os resultados das vendas.


Para mais informações, os associados podem ligar para o (81), 3731-2850. Este mesmo telefone deve ser utilizado para fazer a inscrição. É preciso se inscrever com antecedência, pois as vagas são limitadas.


Confiança do comércio tem a maior queda desde 2010

Fonte: G1 - Portal de Notícias da Globo

A confiança dos empresários do comércio segue em baixa e, em fevereiro, teve a maior queda mensal, que foi de 8,8%, desde o início da série histórica da Fundação Getulio Vargas (FGV), iniciada em março de 2010.

Após a quarta queda consecutiva, o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) índice atingiu 97,9 pontos, menor nível da série histórica.

“A confiança recuou de forma intensa e disseminada entre os segmentos do comércio em fevereiro. O resultado retrata um setor insatisfeito com os níveis atuais de demanda e pessimista em relação às perspectivas de vendas e lucratividade nos próximos meses”, afirma Aloisio Campelo Jr., Superintendente Adjunto para Ciclos Econômicos da FGV/IBRE, em nota.

O resultado de fevereiro foi influenciado pela piora da percepção dos empresários em relação ao momento atual. O Índice da Situação Atual (ISA-COM), que havia avançado 11,2% em janeiro, recuou 14,4% este mês, chegando a 76,4 pontos, o menor nível da série. O Índice de Expecativas (IE-COM), por sua vez,  recuou 4,6%, chegando também ao mínimo histórico de 119,4 pontos.

O indicador que mede o otimismo com as vendas nos três meses seguintes exerceu maior influência na queda do IE-COM, ao recuar 6,2% em relação ao mês anterior, para 119,6 pontos, registrando o menor patamar da série histórica. Já o indicador que mede o grau de otimismo em relação à situação dos negócios nos seis meses seguintes caiu 2,9%, atingindo o mínimo histórico de 119,2 pontos.

CRECI-PE lança Campanha "Vista um Irmão"


Arrecadação federal soma R$ 125,2 bi em janeiro, diz Receita Federal

Fonte: CNDL

O governo federal arrecadou R$ 125,282 bilhões em impostos e contribuições em janeiro, informou a Receita Federal nesta quarta-feira (25). O número representa queda real (ou seja, em valores corrigidos pela inflação) de 5,44% ante igual mês do ano passado.

O resultado do mês foi impactado pela redução no valor dos pagamentos do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), que juntos afetaram negativamente a arrecadação em R$ 4,4 bilhões em janeiro.

As desonerações também impactaram de forma negativa no mês, com uma perda na arrecadação de R$ 10,2 bilhões ante R$ 8,1 bilhões em igual mês de 2014.

O governo conta com a melhora do desempenho da arrecadação de impostos e contribuições este ano, após a queda real de 1,8% registrada no ano passado, mas a atividade econômica persistentemente baixa é um entrave a essa performance.

Pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central na segunda-feira (23) mostrou que os economistas de instituições financeiras estimam retração de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano.

Essa projeção é um sinal ruim a mais para o governo, que conta com a recuperação da receita tributária para cumprir a meta de superávit primário de 1,2% do PIB, o que se torna mais difícil em ambiente de retração.

Para recompor as receitas, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou um conjunto de medidas, entre as quais o retorno da cobrança da Cide sobre combustíveis, do PIS/Cofins sobre produtos importados e a volta do IOF em operações de crédito de pessoas físicas.

Outras medidas também estão em estudo abrangendo o PIS/Cofins.

Em termos gerais, o governo brasileiro trabalha em um plano de ajuste fiscal de cerca de R$ 80 bilhões que vai além de cortes de gastos, em tentativa de atingir a meta fiscal deste ano.

Em 2014, pela primeira vez desde 2009, a arrecadação de impostos caiu, somando R$ 1,187 trilhão, uma queda real de 1,79% em relação ao ano anterior.

Em dezembro do ano passado, a arrecadação federal somou R$ 114 bilhões - forte queda real de 8,89% sobre o mesmo mês de 2013 (R$ 125,94 bilhões - valor corrigido pela inflação). Segundo dados oficiais, este foi o pior resultado, para meses de dezembro, desde 2009 - quando a arrecadação somou R$ 102 bilhões.

Ligação com Cabo Verde vai potencializar ainda mais Polo de Confecções





Foi anunciada ontem (25) uma nova rota internacional de voos comerciais partindo do Recife. A partir de cinco de junho a companhia aérea TACV – Cabo Verde Airlines lança o voo sem escala que vai ligar o Recife à capital do país africano, Praia.

Além dos benefícios para o turismo, a nova rota proporcional vantagens em particular para o Polo de Confecções do Agreste, já que empresários de Cabo Verde são potenciais investidores do seguimento têxtil.

Até então as vendas de confecções para Cabo Verde ocorrem com mais frequência em Fortaleza, que já conta com voo direto para Praia.

Com a mudança os clientes de Cabo Verde tendem a optar pelas indústrias de moda pernambucanas, que dispõe de melhor preço e variedade de produtos. Setores como artesanato e assessórios também serão beneficiados.

O lançamento da nova rota aérea ocorreu na manhã desta quarta-feira (25) no Centro de Artesanato de Pernambuco com a presença do deputado Estadual Diogo Moraes (PSB), que foi um dos incentivadores da implantação da rota.

Após o ato, o governador Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Julio, receberam o embaixador de Cabo Verde no Brasil, Domingos Mascarenhas, que participou da coletiva junto com os secretários estaduais Felipe Carreras (Turismo, Esportes e Lazer) e Thiago Norões (Desenvolvimento Econômico); com o presidente da Empetur, Luís Eduardo Antunes, o secretário de Turismo e Lazer do Recife, Camilo Simões, o diretor da TACV no Brasil, José Luis Nogueira, o trade turístico pernambucano e empresários locais.

Para o governador Paulo Câmara, a nova rota internacional vai impulsionar as relações institucionais e comerciais com o País africano. “Será muito importante para o nosso desenvolvimento econômico e cultural”, ressaltou o governador, que também anunciou o início da operação do consulado de Cabo Verde no Recife. “A instalação do consulado será muito importante para esse trabalho que se inicia com a implantação do voo. O novo fluxo de pessoas indo e vindo vai exigir essa estrutura”, pontuou o chefe do Executivo estadual.

Comunicado Urgente Sindilojas Santa Cruz do Capibaribe

CONVITE
ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

ASSUNTO: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO COMÉRCIO E SERVIÇOS – 2015/2016

SINDILOJAS – SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE CONVIDA as empresas enquadradas nos segmentos do COMÉRCIO VAREJISTA, ATACADISTA de BENS e SERVIÇOS que atuem: na prestação de serviços e agentes autônomos do comércio, de escritórios de pessoas jurídicas e físicas, escritórios de sociedades de advocacia, arquitetura e engenharia e afins, arrendamento mercantil, leasing, promotoras e propagandistas de vendas, call center´s em geral, financiadoras, administração de cartões de crédito e cobrança, serviços contábeis e de auditoria, comércio exterior, comissários e consignatários aéreos e portuários, cooperativas (produção, crédito e agropecuárias), locadoras de bens móveis (fitas de games, som, luz e iluminação, videokê, videoclubes vídeo, DVD, discos e similares, telefone, roupas, jogos eletrônicos, navios e aeronaves, containers, geradores, guarda-móveis, e serras, elevadores), manutenção de telefone, aparelhos eletrônicos, empilhadeiras, equipamentos de guindastes e de terraplanagem, navios e aeronaves, containers, veículos, geradores, guarda-móveis, motobombas e serras, elevadores, manutenção e funilaria de automotores e similares, produtos e serviços de clinicas veterinárias, filmagens e fotografias, limpeza de fossas, venda de água potável em carros pipa, franquias postais e similares, correspondentes bancários e similares, agentes e agências de turismo, lavanderias, concessionárias de máquinas e implementos agrícolas, factoring, fomento mercantil e compra de faturamento, agentes de propriedade industrial e de marcas e patentes, leilão e leiloeiros, corretagem de navios, jóias, metais, pedras preciosas, café e outros despachantes em geral, mala direta, logística e armazenagem de cargas em geral, auto escola, escolas de artes e beleza, salões de beleza, academias de ginástica, administradores aduaneiros, despachantes de imóveis e de cargas aéreas e operadores intermodais e distribuição comercial estabelecidas neste município, para ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA, a ser realizada dia 11/03/2015,  às 18 horas em 1ª convocação e às 19 horas em 2ª convocação no auditório do MODA CENTER SANTA CRUZ, nos termos do edital de convocação, objetivando articulação de CONTRA-PROPOSTA à PAUTA DE REIVINDICAÇÕES apresentada pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Bens e Serviços dos Municípios de Toritama, Santa Cruz do Capibaribe e Surubim, DATA-BASE 2015/2016. Outros pontos a serem discutidos são da seguinte ordem do dia: Deliberar escolha da comissão de negociação patronal composta por representantes de empresas, que acompanhará a negociação coletiva; Discussão e aprovação da contra proposta patronal e reivindicações da categoria econômica; Outros assuntos de interesse da categoria patronal. Esta será a oportunidade para as empresas exporem as suas necessidades, bem como propostas para alterações no texto da CONVENÇÃO atualmente em vigor.

Santa Cruz do Capibaribe/PE, 24 de fevereiro de 2015.


ISAC ARAGÃO

Presidente

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Jovem designer de Santa Cruz ganha o mundo com o seu ''Banquinho Peter''



Um jovem designer santa-cruzense vem obtendo destaque na cena estadual, nacional e até mesmo internacional com uma criação própria. Pedro Felipe, que é aluno do Curso de Design Industrial da UFPE-CAA desenvolveu no ano passado um projeto denominado de ''Banquinho Peter'', mal sabia ele a proporção positiva que sua criação tomaria.

O projeto criado para a Disciplina de Mobiliário, tendo como professores, Débora Ferro e Tony Oliveira, logo caiu no gosto popular e dos especialistas da área. A criação rapidamente levou Pedro a pontos mais altos, o ''Banquinho Peter'' foi finalista do 4º Premio Objeto Brasileiro, e respectivamente selecionado para a V Mostra de Jovens Designers 2015.



Devido a premiação obtida no Premio Objeto Brasileiro, o ''Banquinho Peter'' está em exposição no museu paulista ''A Casa'', isso até o final deste mês. Ressaltando a importância do prêmio, o projeto foi finalista entre trinta (30) mais bem colocados, em uma concorrência que tinha mais de quinhentos (500) inscritos.


Confira alguns links da premiação abaixo:



Pela V Mostra de Jovens Designers, que foi lançada no último dia 12, Pedro representou Santa Cruz do Capibaribe e a universidade UFPE-CAA. Esta mostra terá exposições em São Paulo, Florianópolis. O evento contou com cerca de 350 projetos das melhores universidades de todo o Brasil, apenas quarenta (40) destes foram selecionados e aprovados para serem expostos nas cidades citadas anteriormente.

O orgulho para Santa Cruz do Capibaribe, ou porque não dizer, para o Pernambuco e o Nordeste inteiro não parou por ai, sendo selecionado entre os 40, Pedro teve seu projeto escolhido, isso em meio à apenas seis (6), estes ditos 6 terão seus projetos expostos em Milão, na Itália, e com tudo pago.

Orgulhoso de si mesmo, e reconhecendo seus esforços para chegar onde chegou, Pedro Felipe falou sobre a experiência e expectativa para o futuro:

''Para mim é uma felicidade incrível, uma quebra de paradigmas, conquista inédita para minha cidade e para minha universidade'' pontuou.
Uma região totalmente voltada para a industria de confecção, a qual o curso de design do Campus em Caruaru visa dar mais suporte ao design de moda, figura agora um filho entre as melhores promessas do design de produto do Brasil.



terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Setor de serviços cresceu 6% em 2014, diz IBGE

Fonte: CNDL

O setor de serviços encerrou 2014 com crescimento de 6%, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (20) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a menor taxa anual da série do indicador, que tem início em janeiro de 2012. Em 2013, a expansão foi de 8,5%.

A maior taxa de crescimento veio de serviços prestados às famílias, com alta de 9,2% – abaixo da taxa de 10,2% de 2013. Nesse segmento, serviços de alojamento e alimentação cresceram 9,5%, e outros serviços prestados às famílias tiveram alta de 7,1%.

Já as menores taxas vieram de serviços de informação e comunicação, com crescimento de 3,4% em relação ao ano anterior. Dentro desse segmento, serviços de tecnologia da informação cresceram 2,9%, e serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias, 6,3%.

Serviços profissionais, administrativos e complementares cresceram 8,5% em 2014, e foram o único grupo a registrar taxa maior que a registrada em 2013, quando ficou em 8,1%. Já o segmento de outros serviços acumulou alta de 6,8%, enquanto o de transportes cresceu 6,4%.

Faça EMPRETEC na CDL Santa Cruz do Capibaribe


Representantes do Poder Público e da sociedade de Santa Cruz do Capibaribe se reúnem com o Secretário de Defesa Social de Pernambuco e cobram melhorias na segurança da cidade


O quesito segurança pública de Santa Cruz do Capibaribe foi amplamente debatido na manhã desta segunda-feira (23), em Recife. Para discutir o assunto, o Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Alessandro Carvalho, juntamente com o comandante da Polícia Militar, Coronel Pereira Neto e o chefe da Polícia Civil, Antônio Barros, receberam uma comitiva de representantes do Poder Público e membros de entidades representativas da Capital das Confecções.

No grupo, liderado pelo prefeito Edson Vieira (PSDB), o presidente do Legislativo, vereador Professor Afrânio Marques (PDT), o vereador líder da bancada, Pipoca (PMN), o líder do governo, Luciano Bezerra (PR), e a vereadora Narah Leandro (PSB), que representou o Conselho da Paz, além do secretário de Defesa Social e Mobilidade Urbana, Fábio Aragão, e o executivo de Defesa Social, Coronel Donizete Rodrigues. Participaram ainda do encontro, representantes da sociedade civil organizada Hideraldo Abrantes, representando a CDL local, Lúcia Nascimento e Clóvis Nunes, representando o MovPaz, municipal e nacional, respectivamente.

O Secretário de Defesa Social de Pernambuco, Alessandro Carvalho, se comprometeu em dar uma resposta imediata a Santa Cruz do Capibaribe por meio da inauguração de uma nova delegacia, implantação de um Batalhão de polícia da CIOSAC na área do 24º Batalhão, que ficará as margens da BR-104, com 210 policiais, além da intensificação de combate ao crime organizado.


Para o presidente do Legislativo, Vereador Professor Afrânio, o encontro foi muito positivo, pois o secretário foi muito contundente em suas promessas em curto prazo. “Nós fomos em busca de cobrar e fazer o nosso papel enquanto representante do povo de Santa Cruz do Capibaribe, no entanto, sabemos que segurança é responsabilidade do Estado, mas a sociedade precisa estar engajada na busca pela paz. Segurança não passa meramente pelo caminho da repressão, mas pela questão cultural e de educação, que as pessoas precisam se inserir nesse contexto, a fim de termos uma cidade cada vez melhor, é preciso ter uma compreensão mais ampla dessa questão”, explicou o presidente.  

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Formalização alavanca arrecadação do Polo de Confecções

Fonte: SEFAZ - PE


​Benedito Santos
O crescimento da formalização de contribuintes pagantes alavancou em cerca de 60% a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Polo de Confecções do Agreste. O montante passou de R$ 106,8 milhões, em 2011, para R$ 170,8 milhões. O polo é formado por Santa Cruz do Capibaribe, Toritama, Caruaru e outros 10 municípios da região.

O setor de confecções é o maior gerador de ICMS no Agreste pernambucano. Em 2011, constavam na base de dados da Secretaria da Fazenda de Pernambuco (Sefaz-PE) 78 mil contribuintes no polo. No final de 2014, esse número saltou para 119 mil. Uma evolução de 52,5% na regularização das empresas do setor. Apesar disso, a informalidade ainda atinge níveis elevados. “Chega a sobrar crédito financeiro na região por falta de empresas regularizadas”, avalia o diretor geral da Receita II Região Fiscal – Caruaru, Benedito Santos.

Para tentar mudar esse cenário, a Sefaz-PE realiza um movimento constante na construção de uma nova cultura. Através de palestras sobre educação fiscal para os contribuintes e as entidades de classe locais, a exemplo da Câmara de Diretores Lojistas (CDL), a secretaria vem disseminando a importância da formalização nas instituições.
“As empresas regularizadas têm acesso facilitado ao crédito e também podem operar com cartões. Além disso, vão estar quites em termos trabalhistas e fiscais. Hoje, temos até quiosques com inscrição estadual e equipamentos para emissão de nota fiscal eletrônica. Mas esperamos resultados em longo prazo, pois envolvem a transformação de uma cultura enraizada no mercado informal”, analisa Santos.

De acordo com o diretor, a fiscalização de estabelecimentos e de trânsito de mercadorias, bem como a depuração cadastral permanente também são ações relevantes na busca pela regularização dos comerciantes. “Essa é a outra forma de atuação, mais repressiva. E precisa ser executada para impedir a concorrência desleal. As empresas formais nos cobram uma ação contra as que não pagam impostos”.

Para isso, os postos fiscais atuam de forma integrada às Agências da Receita Estadual e à Gerência de Ações Fiscais (GEAF). Os primeiros se encarregam das ações repressivas de abordagens no trânsito das mercadorias e em depósitos clandestinos, além de coletar informações para subsidiar no planejamento das ações fiscais de abordagem de estabelecimentos. As Agências, no atendimento diário, orientam os contribuintes regularizados ou que decidem se regularizar e realizam a cobranças de créditos tributários e a depuração cadastral de empresas.

Mais aumentos de água e de energia nos próximos dois meses

Fonte: JC Online

 /
Os aumentos da energia, combustíveis e da água vão contribuir para a inflação continuar em alta nos próximos meses. Somente a energia elétrica já tem dois reajustes programados. O primeiro será em março e ocorre porque o governo federal decidiu reajustar o valor cobrado pela bandeira tarifária vermelha e definir um percentual que incidirá sobre a conta de luz para compensar o custo mais alto das energias produzidas pelas termelétricas. Em janeiro, a bandeira vermelha significava um acréscimo de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A partir de março, esse valor deve ser de R$ 5,50 para cada 100 kWh, enquanto o percentual a ser cobrado sobre o total da conta é estimado em 3,89%. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve definir ambos (o percentual e o valor da bandeira) ainda este mês.

O segundo aumento da energia é o reajuste anual da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e deve entrar em vigor a partir do dia 29 de abril. Vinte e um dias depois, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) vai reajustar as contas de água e esgoto em 8,35%.

Também devem ocorrer mais reajustes de combustíveis ainda este ano. “A tendência é de que os preços aumentem o ano inteiro. O mercado acredita que o IPCA (um dos índices que mede a inflação) vai chegar a 7,5% em 2015. Se isso for confirmado será a maior inflação dos últimos 11 anos”, resume o economista da Ceplan e professor de Economia da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) Valdeci Monteiro.

“Este ano não vai ser fácil. O consumidor deve planejar melhor os seus gastos e observar as promoções”, conta Valdeci. Com a alta da inflação deve ocorrer uma retração do consumo e as promoções vão ocorrer em vários setores indo desde o setor de alimentos, passando por eletrodomésticos e chegando até na venda de bens como veículos.

A microempresária Maria das Dores Silva só lamenta a alta dos preços. Ela tem uma pequena mercearia na Várzea e diz que é impossível não repassar a alta dos preços para os seus clientes. “Comprava o fardo de feijão para revender por R$ 1,89 o quilo em setembro do ano passado. Hoje, compro por R$ 4,89 o quilo”, justifica.
“O que a gente ganha não sobe na mesma proporção da inflação. No ano passado, gastei R$ 530 para comprar livros, material escolar e duas fardas para a minha neta. Este ano, essa mesma despesa (incluindo as duas fardas ficou em R$ 1.158,75. Isso é um absurdo”, conta. Ela argumenta que já fez cinco empréstimos consignados para ter capital de giro na movimentação do seu negócio e já está sentindo no bolso e na movimentação da sua venda que “as coisas estão difíceis”.


Congresso Liderança Feminina será apresentado em Caruaru


Com o objetivo de promover o desenvolvimento humano, com foco em mulheres líderes a CONGRER e MA&S Consultoria estão promovendo o Seminário "Liderança Feminina- As donas do futuro". O evento acontecerá dia 05 de março de 2015, em comemoração ao dia Internacional da Mulher.

O seminário será desenvolvido porque é imprescindível capacitar nossas lideranças, e as mulheres pela sua sensibilidade aguçada pode ser a solução para o desenvolvimento de pessoas na empresa.

Confira a programação abaixo:



Transmita e estimule a participação das lideranças. Há vantagens na formação de grupos e para maiores informações você pode ligar para o 81-9242-9640.

Parabéns




Quem fez idade nova neste domingo (22), foi o Diretor de 

Marketing e Comunicação da CDL Santa Cruz do Capibaribe, 

Gustavo Mestre. À ele, os mais sinceros votos de muita saúde 

e muita paz. É o que deseja toda a diretoria, associados e 

colaboradores da CDL da Capital das Confecções.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Classe C passa a comprar menos e pode até diminuir de tamanho

Fonte: CNDL

O cenário de inflação alta, crédito escasso e renda comprometida está fazendo a parcela da população brasileira que ascendeu para a classe C comprar menos nos supermercados neste começo de ano do que nos últimos seis meses. E a percepção para o primeiro semestre de 2015 não é nada animadora: o carrinho de compras deve continuar encolhendo. Estes são os primeiros resultados de uma pesquisa inédita, chamada O Bolso do Brasileiro, que o Instituto Data Popular, especializado na classe C, acaba de concluir.

Já segundo a Nielsen, empresa especializada em pesquisar hábitos dos consumidores, diante deste cenário de comprometimento de renda, endividamento e inflação, a classe C é a mais afetada em sua vida financeira, já que apresenta em média um gasto 15% superior à sua renda mensal. Levantamento recente da Kantar Worldpanel, outra companhia especializada em pesquisar as tendências de consumo, mostrou que as classes C e D/E já diminuíram em cerca de oito vezes o número de idas aos pontos de venda, enquanto a classe A diminuiu apenas quatro vezes.

Pela metodologia do Data Popular, as famílias da classe C têm renda média de R$ 2,9 mil e, nos últimos anos, passaram a consumir produtos e serviços antes inacessíveis. O levantamento foi feito entre os dias 18 e 29 de janeiro em 150 cidades do país e foram entrevistadas 3.050 pessoas.

DESCENDO UM DEGRAU

De acordo com a pesquisa, 47% dos entrevistados disseram estar comprando menos produtos no supermercado na comparação com os últimos seis meses. Outros 36% afirmaram que compram a mesma quantidade, e 12% responderam que estão comprando mais produtos. Os pesquisadores perguntaram aos entrevistados se nos próximos seis meses, pensando na condição financeira atual, eles esperavam comprar mais ou menos. 

Entre as respostas, 45% afirmaram que vão comprar menos; 36% disseram que vão comprar a mesma quantidade e 19% responderam que vão comprar mais.

— O brasileiro da classe C já percebeu que a inflação está comendo sua renda e que está sobrando menos dinheiro para o consumo. Em relação ao futuro, ele mostra desesperança, porque não vê perspectiva de melhora da renda e da situação da economia em geral. Para ele, a inflação deve continuar subindo, assim como os juros do cheque especial utilizado por eles. Ou seja, o brasileiro que já passou aperto em 2014 começa 2015 preocupado em não conseguir encher o carrinho — avalia Renato Meirelles, presidente do instituto de pesquisa Data Popular.

Para o economista Miguel Ribeiro de Oliveira, da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), o aumento dos impostos e o crédito mais caro e restrito afetam todas as classes, mas especialmente a classe C, que pode até encolher neste ano.

— Quando a situação econômica se torna mais difícil, e a renda disponível fica menor, essas categorias podem até cair um degrau (na ascensão social que tinham experimentado) —afirma Oliveira.

Meirelles, do Data Popular, ainda não vê um retrocesso na ascensão social dessa parcela da população, mesmo com a perda de poder aquisitivo. Ele explica que como o critério para definir classe social é o salário, enquanto o desemprego estiver em níveis baixos, não haverá mudanças.

— Enquanto o desemprego não aumentar, esse brasileiro que ascendeu não vai sair da classe C. Mas seu poder de compra diminui, com o aumento da luz, do aluguel e dos produtos em geral — diz o presidente do Data Popular.

Mas o emprego é exatamente o ponto crucial, destaca o economista Luiz Otávio Leal, do banco ABC Brasil. Na análise de Leal, tão importante quanto a inflação, sobretudo de alimentos e tarifas, o que pesa mais para a classe C, é o impacto do mercado de trabalho, que este ano deve ser marcado por uma queda real na renda:

— Neste ano, as discussões salariais vão se concentrar em repor as perdas, e o trabalhador ficará contente se conseguir manter o emprego.

Outra mudança sutil, esta constatada pela Kantar, é que mais pessoas estão priorizando as compras no início da semana, em detrimento dos finais de semana, para aproveitar as promoções, que se concentram entre segunda e quarta-feira.

Foi o que fez o casal Silvia Santana, de 51 anos, e Alexandre Domingos, de 43, donos de uma empresa de artesanato e costura de São Paulo. Os dois passaram a fazer a despesa do mês durante a semana para aproveitar os descontos. Aos sábados e domingos, só quando falta algum item essencial.

— Na medida do possível, trocamos as marcas mais caras por outras mais baratas. E nossa compra mais pesada é feita durante a semana quando os supermercados fazem as promoções — diz Domingos.

ADEUS, SUPÉRFLUOS

Já a aposentada Iara Palmiro, de 65 anos, moradora do Itaim Bibi, também na Zona Sul de São Paulo, foi mais radical e cortou alguns itens considerados supérfluos de sua cesta de compra.

— Em relação aos alimentos, o consumidor acaba trocando por uma marca mais barata. Setores como cosméticos, itens de higiene pessoal e moda, por exemplo, devem ter crescimento menor já que estes itens eram aspiracão da classe C — afirma Reinaldo Saad, sócio da área de bens e consumo da consultoria Deloitte.

Mas especialistas avaliam que, diante do orçamento mais apertado, não só o brasileiro da classe C, mas toda a população, deverá continuar mudando seus hábitos de consumo em 2015.

— A expectativa é de mais um ano ruim para a economia, com juros ainda elevados. Sem perspectiva de aumento de salário, e até de desemprego, a confiança do consumidor caiu 14,5% em janeiro. Ele evita tomar novas dívidas, posterga as compras mais caras e acaba mudando seus hábitos de consumo — diz o assessor econômico da Federação do Comércio de São Paulo (Fecomércio), Vitor França.

O economista da Fecomércio destaca que o brasileiro está com a renda mais comprometida com itens essenciais como conta de luz e água, transporte e aluguel, que ficaram mais caros nos últimos meses. Uma pesquisa do Datafolha também constatou que quase metade dos brasileiros (46%) vai consumir menos nos próximos seis meses, e 56% já vêm cortando despesas desde o segundo semestre de 2014. Significa que o consumo, que vinha puxando o crescimento da economia desde 2008, dará freada prejudicando ainda mais o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto dos bens e serviços produzidos no país). Não sem motivos, na média, os analistas de mercado preveem que a economia encolha 0,5% este ano.

Dilma confirma correção de 4,5% na tabela do Imposto de Renda

Fonte: Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff defendeu hoje (20) a correção de 4,5% na tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física e disse que Orçamento não tem espaço para correções maiores, como os 6,5% aprovados pelo Congresso e vetados por ela no fim de janeiro. A presidenta confirmou que o governo enviará novamente ao Congresso medida provisória com correção de 4,5%.

“Eu tenho um compromisso e vou cumprir meu compromisso, que é 4,5%. Não estamos vetando porque queremos, estamos vetando porque não cabe no Orçamento público. É assim”, argumentou Dilma em entrevista após a cerimônia de entrega de credenciais de novos embaixadores no Brasil. Foi a primeira entrevista de Dilma desde dezembro do ano passado, quando tomou café da manhã com jornalistas, ainda antes de assumir o segundo mandato. 

“Eu já mandei [a proposta de 4,5%] por duas vezes, vou chegar à terceira vez. Meu compromisso é 4,5%. Se, por algum motivo, não quiserem os 4,5%, nós vamos ter de abrir um processo de discussão novamente”, adiantou.

Quanto maior o índice de correção da tabela, maior o número de contribuintes isentos do pagamento de imposto e menor a arrecadação. O governo argumenta que a correção de 6,5% levaria a uma renúncia fiscal de R$ 7 bilhões.

Dilma também defendeu as mudanças nas regras de concessão de benefícios trabalhistas e previdenciários, anunciadas pelo governo em dezembro, e disse que as alterações vão corrigir distorções. “Todas as medidas que nós tomamos têm um objetivo. Não estou falando das fiscais, estou falando daquelas que dizem respeito ao seguro-desemprego, ao abono salarial, à pensão por morte. Nós estamos aperfeiçoando a legislação. A legislação tem que ser aperfeiçoada da mesma forma como fizemos com o Bolsa Família”, disse, ao citar os processos de auditoria pelos quais o programa social passa.

A presidenta negou que as mudanças representem retirada de direitos ou flexibilizem a legislação trabalhista do país. “Flexibilização da legislação trabalhista é acabar com o décimo terceiro, com férias, com aviso prévio.”

Sobre a disposição do governo em desistir de aumentar o rigor nas regras para concessão dos benefícios, Dilma disse que “sempre há negociação”, mas que o governo “tem posições claras”. “Sempre há negociação. Ninguém acha que num país democrático como o Brasil, que tem um Congresso livre, que tem movimentos sociais sendo ouvidos e com os quais você dialoga, seja algo fechado, que não há negociação. Sempre há negociação, mas há também posições claras. A gente tem que defender posições claras”, avaliou.