Topo

Topo

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Parabéns


Hoje é um dia de festa para o ex-presidente e membro do Conselho Consultivo da CDL Santa Cruz do Capibaribe, Ricardo Verçosa. Ele que passou pela presidência da entidade na década de 90 e realizou um importante trabalho para a instituição. Que hoje seja um dia de muita felicidade e que se prolongue por todos os anos de sua vida, Ricardo. É o que deseja todos os que fazem a CDL Santa Cruz do Capibaribe.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Começa hoje a tarde no Centro de Convenções de Pernambuco em Olinda, a ‎FENEARTE 2015‬

A FENEARTE é a maior feira de negócios do artesanato na América Latina. Santa Cruz do Capibaribe estará presente com um artesanato com intervenção do design, num trabalho de fomento da economia criativa feito pela Prefeitura através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do município. Todos estão convidados para conhecer nosso stand no setor verde número 24.

Os destaques ficam por conta do artesanato mais sofisticado da Femine de Inabel Ramos e do artesanato com sobras da produção têxtil de Cumade Sebastana.




Evento de Moda e Negócios será realizado em Santa Cruz

Conquistar novos mercados e consolidar uma imagem de qualidade dos produtos confeccionados no polo, além de dar uma maior visibilidade comercial e fortalecer a credibilidade das empresas da região frente ao mercado varejista de todo o país é o principal objetivo da CDL Santa Cruz do Capibaribe, que através da Câmara Setorial de Representantes comerciais da confecção, realiza entre os dias 27 a 29 de agosto, o evento Moda e Negócios.

Não deixe de participar! Mais informações entre em contato com a CDL (81) 3731-2850.




SENAI oferece 60 vagas no Sisutec em Santa Cruz do Capibaribe e as inscrições seguem até sexta-feira


Segue até a próxima sexta-feira (03) as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica, o Sisutec 2015. Este ano o SENAI oferece 170 vagas em cursos técnicos gratuitos nos municípios de Araripina e Santa Cruz do Capibaribe.

Para participar os candidatos precisam ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido nota superior a zero na redação. O prazo termina às 23h59 do dia 03 de julho. As inscrições devem ser feitas no site clicando AQUI.

Entre as opções de curso estão Eletromecânica (44 vagas – noite) e Segurança do Trabalho (66 vagas – noite), no SENAI Araripina, além de Vestuário (60 vagas – 20 manhã/20 tarde/20 noite) no SENAI Santa Cruz do Capibaribe.

As aulas terão início em agosto e as vagas são gratuitas. Há reserva de 85% das vagas para candidatos que tenham feito o ensino médio em escola pública ou na rede particular com bolsa integral.

A primeira chamada será publicada no dia 7 de julho e a segunda, no dia 14 do mesmo mês. Quem não for aprovado nas chamadas anteriores poderá se inscrever para vagas remanescentes entre 20 de julho e 2 de agosto.

A matrícula dos aprovados na primeira chamada está prevista para ocorrer entre 8 e 10 de julho na instituição em que o aluno fará o curso. Já os candidatos selecionados na segunda chamada deverão realizar a matrícula de 15 a 17 de julho.


quarta-feira, 1 de julho de 2015

Dica SPC Brasil


Desde prejuízos financeiros, como o pagamento de direitos trabalhistas, até o tempo gasto com treinamentos e adaptações. 
Para evitar isso, é necessário avaliar muito bem o candidato antes da contratação, motivar a equipe com metas e recompensas e manter um bom clima de trabalho.


Confiança da indústria tem queda de 4,9% em junho

Fonte: Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) recuou 4,9% em junho, em relação a maio, ao passar de 71,6 para 68,1 pontos. Quanto mais baixo o índice em relação a 100 pontos, maior é o pessimismo da indústria quanto à situação atual e à intenção de novos investimentos.

A pesquisa sobre o ICI, feita em 1,2 mil industrias em todo o país, tem como objetivo orientar o governo e líderes empresariais em relação à tomada de decisões sobre a política econômica e sobre negócios.

Segundo o superintendente adjunto para Ciclos Econômicos da FGV, Aloisio Campelo Jr, o resultado da pesquisa mostra que, entre março e junho, “a indústria de transformação enfrentou mais um trimestre de queda da produção e de margens de lucro comprimidas”.

Segundo ele, embora os indicadores que retratam a situação presente dos negócios estejam caindo mais fortemente em junho, “chama a atenção a piora das expectativas, levando a um elevado grau de pessimismo em relação ao horizonte de três a seis meses”.

A queda do ICI em junho atingiu 9 dos 14 principais segmentos acompanhados pela pesquisa. O Índice da Situação Atual (ISA), um dos componentes da pesquisa, caiu 5,6%, atingindo o menor nível da série mensal iniciada em outubro de 2005 (70,4 pontos). Outro elemento da pesquisa – o Índice de Expectativas (IE) – recuou 4,2%, passando a 65,8 pontos.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Audiência pública para retomada das obras da BR-104 conta com a representação da CDL de Santa Cruz do Capibaribe

Lutar pelo engrandecimento do comércio lojista da cidade de Santa Cruz do Capibaribe tem sido uma tarefa constante da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), a fim de fazer com que a cidade se desenvolva cada vez mais.

A entidade esteve mais uma vez se fazendo representar, através do seu presidente, Valdir Oliveira, na audiência pública, que aconteceu na última sexta-feira (26), na Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Capibaribe, que contou com a participação dos senadores Humberto Costa e Douglas Cintra, além da participação de várias autoridades políticas da cidade e do coordenador geral do DNIT, Fábio Nunes.


Diante de muitas cobranças, o coordenador do DNIT Fábio Nunes, informou que a primeira medida a ser tomada será o recapeamento dos trechos que apresentem maiores problemas de conservação. O recapeamento será feito pela empresa responsável pela manutenção da via e deverá começar nos próximos dias.




75% dos empresários acreditam que ajuste fiscal tem impacto negativo na economia

Fonte: Ascom SPC Brasil

O recente ajuste fiscal e os cortes orçamentários anunciados pelo Governo Federal não foram bem recebidos pelos empresários brasileiros. É o que mostra uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) sobre o impacto que estas medidas terão para a economia do Brasil e para seus negócios, na percepção dos empresários. O estudo revela que 90,5% dos entrevistados já ouviram falar das medidas que estão sendo adotadas e 75,4% acreditam que os ajustes e cortes terão um impacto negativo na economia.

O pessimismo é igualmente expressivo quando os empresários são indagados sobre os desdobramentos das medidas e as consequências para a sua empresa: 70,6% acreditam que também haverá um impacto negativo, principalmente nas regiões Centro-Oeste (83,3%) e Sul (77,9%).

De acordo com o estudo, o ajuste fiscal proposto enfrenta resistência e desconfiança do empresariado. 61,4% das empresas afirmam não ser necessário e que as medidas são um retrocesso para o país, além de aumentar os problemas e retardar a volta do crescimento. Apesar da pesquisa demonstrar uma repulsa às novas medidas por parte dos empresários, os ajustes são importantes, segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

"É inegável que os ajustes e cortes terão efeitos de retração econômica no curto prazo, e que certamente serão sentidos pelos empresários e pela população", explica Kawauti. "Mas por outro lado, essas medidas servem para arrumar a situação da economia e são importantes para que a retomada do crescimento aconteça de maneira sustentável no médio e longo prazo", afirma a economista.

76% dos empresários acreditam que os cortes diminuirão as vendas

Além do impacto dos ajustes fiscais, também foram analisadas as consequências previstas para os empresários sobre os cortes orçamentários anunciados pelo governo. Três em cada quatro (75,7%) empresários acreditam que os cortes irão diminuir as vendas de sua empresa e 77,6% afirmam que o lucro diminuirá.

Outro reflexo dos ajustes fiscais e cortes orçamentários é o número de demissões. Para 66,1% dos entrevistados, os empregos serão mantidos, mas outros 26,0% afirmaram que farão cortes em suas equipes.

No Nordeste, o número de empresas que demitirão funcionários atinge 39,9%. No Centro-Oeste, o percentual atinge 28,4%; no Sul, 27,2%; Sudeste 21,7% e na região Norte, 14,5%.

74% acreditam na diminuição do faturamento da empresa

Para 67,5% dos empresários, os impostos irão aumentar até o final do ano. A consequência disso, para eles, será a diminuição do faturamento da empresa, citado por 73,6%. Aparecem ainda a retração do consumo e a diminuição das vendas (73,1%), e a diminuição do crescimento da empresa (54,6%).

Quando perguntados sobre o acesso a crédito, 74,6% dos empresários afirmaram que contratar empréstimos está mais caro, com juros mais altos nos últimos três meses. Para 51,5% dos entrevistados, essa modalidade é importante para o crescimento dos negócios, mas afirmam que agora não é a melhor hora para iniciar essa pendência, já que o cenário econômico está pouco favorável.

"Ainda que as medidas econômicas sejam importantes a longo prazo, é para o momento atual que boa parte dos empresários espera resultados e benefícios, e por isso talvez o ajuste não seja bem recebido", diz o presidente da CNDL, Honório Pinheiro. "Para esses empresários, o ajuste pode trazer graves consequências de imediato, diminuindo o consumo dos brasileiros, encolhendo os lucros e dificultando a capacidade de as empresas tomarem capital", conclui o presidente.

Participe do Qualipolo


segunda-feira, 29 de junho de 2015

Parabéns



Os parabéns de hoje vão para o Consultor Comercial da CDL Santa Cruz do Capibaribe, Pedro Douglas, ele que integra a equipe desde 2014 e tem desenvolvido um trabalho de acompanhamento junto aos sócios da entidade, além de trazer novos associados.

Parabéns Pedro, tudo de bom na sua vida que Deus te ilumine sempre, e que todos seus sonhos e objetivos se realizem. São os sinceros votos de todos que fazem a CDL de Santa Cruz do Capibaribe.

sexta-feira, 26 de junho de 2015


Brasileiro gasta, em média, R$ 185 com produtos para animais de estimação na internet

Fonte: CNDL

O mercado pet, com a venda de produtos para animais de estimação, tem ocupado espaço relevante no mundo do consumo virtual. De acordo com um levantamento realizado em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal de educação financeira ‘Meu Bolso Feliz’, em 2014, 9% dos brasileiros com acesso á internet realizaram ao menos uma compra de itens como coleiras, ração, acessórios, roupinhas, produtos de higiene e brinquedos para seus animais domésticos, principalmente as mulheres (12%) e pessoas acima de 50 anos (13%).

Segundo dados oficiais calculados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de cães no Brasil (55 milhões) já supera a população de crianças com até 14 anos de idade (45 milhões). “Com a crescente demanda pela personalização de produtos, principalmente, voltados à estética e ao bem-estar animal, este é um mercado bastante promissor. Uma das melhores vantagens de se comprar pela internet é poder pesquisar entre uma variedade maior de produtos e encontrar o menor preço”, afirma Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

O estudo do SPC Brasil mostra ainda que o gasto médio na última compra do brasileiro com produtos para animais de estimação chega a R$ 185 e cresce para R$ 222 entre os consumidores da classe C. A maior parte das aquisições foi em sites nacionais (mencionado por 67% dos entrevistados), seguidos pelos sites de compras coletivas (16%). Os consumidores mostram-se satisfeitos em relação a sua última compra, já que apenas 5% relatam ter enfrentado problemas, como defeitos no produto, problemas na entrega ou recebimento de um produto diferente do anunciado no site.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Qualipolo oferece 21 opções de cursos para capacitação profissional


Empresária de Santa Cruz e o Moda Center são destaques em Reportagem da TV Brasil

No último dia 18 de junho, o programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil do Rio de Janeiro, destacou um tema muito pertinente a nossa economia: o empreendedorismo.

O síndico do Moda Center Santa Cruz, Allan Carneiro, e a empresária Margarida Monteiro, foram entrevistados e falaram da importância empreendedora de Santa Cruz do Capibaribe.

Assista aqui à reportagem “Brasileiro, profissão empreendedor”:

150 confecções fecharam as portas em São Paulo neste ano

Fonte: Diário do Comércio

Ele chegou a fabricar 500 mil peças de lingerie por mês, entre 2008 e 2010, com um time de 400 costureiras. Hoje, produz 250 mil peças mensais e emprega 200 costureiras.
“Estou apavorado. O setor de confecção não dura mais do que oito anos no Brasil”, desabafa Ronald Masijah, sócio-diretor da Darling, uma das mais tradicionais marcas de lingerie do país.
Fundada pelo pai, Iso Masijah, e pelo tio, Moises Castro Nahum, em 1949, a Darling, segundo afirma, nunca havia passado nem perto de um período de retração semelhante ao atual.
“É algo absurdo o que estamos vivendo. Acabamos de passar pelo Dia dos Namorados e o ritmo de vendas se manteve como se o evento não tivesse existido”, afirma. Nos meses de maio e junho, religiosamente, as vendas de lingerie costumavam aumentar 20%.
Fundada por Izidoro Knobloch, a Nutrisport, fundada há 64 anos para produzir casacos de pele, é outra empresa que está bem longe de fornecer, como no passado, 250 mil peças para cada estação do ano.
“A produção atual é 60 mil peças, 20% inferior à do ano passado e, ainda assim, não está fácil vender”, afirma Sidney Knobloch, sócio-diretor da confecção, que comercializa as marcas Nutria e Lilla Ka.
Para Knobloch, as confecções brasileiras não suportam mais dois a três anos. Os preços dos tecidos são dolarizados, uma vez que boa parte deles é importada, considerando que a indústria têxtil nacional também sucumbiu. “Fora isso, os custos dispararam”.
De janeiro a abril passado, a alta mensal do dólar acumulou 16,1%, o preço da energia elétrica subiu 38,2%; o dos combustíveis, 8,4% e o da água tratada, 2,3%, segundo cálculo da GO Associados.
Os juros também estão mais elevados. A taxa básica de juros da economia que, em janeiro, era de 12,25% ao ano, hoje é de 13,25% ao ano. E todos esses aumentos acontecem em um ambiente em que o consumidor está mais endividado e sem confiança na economia e no emprego.
“A situação vai piorar, nem começou a recessão. O governo vai cortar investimentos, os impostos vão subir e a desoneração sobre a folha de pagamento, que havia até agora, está sendo revista”, afirma.
Muitas confecções já entregaram literalmente os pontos. Levantamento do Sindivestuário, sindicato que reúne os fabricantes de roupas femininas, masculinas e infanto-juvenis, revela que, nos quatro primeiros meses deste ano, 500 confecções fecharam as portas no país, das quais 150 no Estado de São Paulo.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Mês de junho, faça suas compras no Moda Center Santa Cruz


E continuam as feiras de junho no Moda Center Santa Cruz. Até o final deste mês, venha fazer suas compras de domingo a terça.

A partir de julho, não abriremos aos domingos – os dias de feira voltarão ao normal: segundas e terças. Só voltaremos a abrir aos domingos em novembro e dezembro.


Boas festas juninas a todos!

Participe do maior programa de capacitação profissional de Santa Cruz do Capibaribe e região


Dívidas em atraso crescem em todas as regiões brasileiras, mostra indicador do SPC Brasil

Fonte: Ascom SPC Brasil

No último mês de maio, o indicador regional de inadimplência do consumidor calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) registrou crescimento na quantidade de dívidas atrasadas em todas as regiões brasileiras. As regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste apresentaram crescimentos mais expressivos – de 7,81%, 7,03% e 6,86% respectivamente – se comparados à média nacional (6,70%), na base anual de comparação, ou seja, frente à maio do ano passado. Já as regiões Sudeste (6,09%) e Sul (6,06%) registraram percentuais menos elevados no crescimento de dividas não pagas.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, explica que o fato de as cinco regiões apresentarem crescimento no volume de dívidas não pagas corrobora a desaceleração da atividade econômica do país em conjunto com a piora dos indicadores macroeconômicos, o que reflete na capacidade de pagamento dos consumidores. “Fatores como a alta dos preços, o aumento do desemprego e as taxas de juros em patamares elevados devem apertar ainda mais o orçamento dos consumidores e manter as variações da inadimplência positivas até o fim do ano”, afirma a economista.

Dívidas por setor

Na comparação com maio do ano passado, o segmento de Água e Luz foi o setor que apresentou as variações mais acentuadas de dividas em atraso em duas das cinco regiões avaliadas pelo SPC Brasil: Centro Oeste, com alta de 29,18% e Sudeste, com crescimento de 17,49%. “O crescimento da inadimplência observado no segmento de serviços básicos em algumas regiões se explica pelo fato de que mais companhias de água e luz passaram a utilizar a negativação de CPFs como forma de recuperar pendências financeiras de seus consumidores, antes mesmo de realizar os cortes no fornecimento do serviço”, analisa Marcela.

Já no Norte e Nordeste, destacaram-se as variações das pendências de serviços de comunicação, como telefonia móvel e fixa, TV por assinatura e internet, com crescimento de 37,35% e 19,38%, respectivamente. “Os chamados ‘combos’, que unem internet, telefone e TV por assinatura, têm se popularizado no Brasil, mas muitos consumidores ainda não se planejam financeiramente para lidar com essas despesas e a quantidade de atrasos tem sido cada vez maior em várias partes do país”, explica a economista.

O crescimento das dívidas bancárias, que englobam cartão de crédito, financiamentos, empréstimos e seguros, foi mais expressivo na região Sul (11,39%), enquanto a alta dos atrasos no comércio se destaca no Centro-Oeste (2,70%).



Sudeste concentra mais inadimplentes

De acordo com os economistas do SPC Brasil, a participação de cada região no total de dívidas no país tem relação direta com a representatividade da região junto a população brasileira como um todo. A região sudeste, que responde pela maior parte do PIB e se destaca pela alta concentração populacional, é quem detém a maior fatia do número total de consumidores inadimplentes no país: 39,95%. Em seguida surgem as regiões Nordeste (25.94%), Sul (12,95%), Norte (8,84%) e Centro-Oeste (7,78%) no ranking de participação.